quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Resenha: O Caçador de Pipas

"Este é um romance emocionante, envolvente, que nos cativa logo nas primeiras páginas. Livro de estreia de Khaled Hosseini, O Caçador de Pipas é uma narrativa insólita e eloquente sobre a frágil relação entre pais e filhos, entre seres humanos e seus deuses, entre homens e sua pátria. Uma história de amizade e traição, que nos leva dos últimos dias da monarquia do Afeganistão às atrocidades de hoje." 



A vida é feita de erros e por mais desesperador que possa ser quando você os comete, há sempre uma alternativa para reparar o que foi feito.
No Afeganistão a sociedade é divida entre pshtuns (muçulmanos sunni) e hazaras (muçulmamos shi'a). É nesse ambiente, quando o Afeganistão ainda era uma monarquia, que nascem os persongens principais dessa comovente história. Amir, pshtun, e Hassan, hazara.
Irmãos de leite, perderam suas mães muito cedo (a mãe de Amir faleceu logo após dar a luz e a de Hassan, foi embora logo após o parto) eles tem um laço muito forte, foram criados juntos assim como os pais, são inseparáveis em (quase) tudo: nas traquinagens, antes da primavera, quando começava o festival de pipas, nas tardes de chuva jogando baralho. 
Porém, Amir tinha uma posição social mais "confortável", portanto ele sabia ler e escrever, ao contrário de Hassan. Esse é o ponto em que se separavam: enquanto Hassan levantava pelo menos uma hora antes de Amir, preparava o café da manhã, lustrava os sapatos dele, passava a roupa para ir a escola. Enquanto Amir, comia, escovava os dentes e se vestia.

Um sempre lia para o outro, e em um dia Amir, simplesmente parou de ler a história e começou a inventar a sua própria, Hassan ouvia mais fascinado do que nunca. Quando ele terminou, palmas surgiram. Alguns dias depois, Amir ganhou uma caderneta com capa de couro em seu aniversário, de 13 anos, de seu amigo Rahim Khan e por conta disso e de tanto ler os livros de sua mãe começou a escrever suas próprias histórias.
A primeira contava a história de um homem feliz, que encontrara um cálice que daria uma pérola para cada lágrima derramada dentro. Este começa a pensar em ficar rico. Então no fim o homem está num mar de pérolas com a esposa morta em seus braços. Hassan faz a seguinte observação: "ele não poderia apenas cortar cebolas?", um fato que Amir não havia pensado.
Mas é depois do aniversário de Amir, no dia do festival de pipas que a história realmente começa.
É um campeonato, onde as pipas tem cerol não incentivo ninguém a fazer isso, viu? e cada participante tenta fazer a pipa adversária cair, além disso a última pipa é como se o trofeu do campeonato, todos querem pegá-la e todos se divertem.
Hassan tem um dom de pressentir exatamente onde a pipa irá cair. Ele e Amir, tem um inimigo, chamado Assef, que também deseja a última pipa e ele é um garoto perigoso, capaz de fazer qualquer coisa com alguém que tente impedir seus objetivos.
É nesse momento que a vida de Amir muda para sempre. Por causa de uma pipa bela e grandiosa.

Um história muito interessante, vale a pena cada página, cada frase, cada palavra...
E este é apenas o começo, o livro tem muito mais pontos importantes, mas se eu colocá-los vocês não leem o post o livro e aí não tem graça!

Espero que gostem.
Recomendo que quem não leu, leia. E quem leu, comenta. Por favor! *-*
Grande beijo ;)
Até mais

Seu Blog · Design por Alves Alvin · Todos os direitos reservados - Copyright © 2014 · Tecnologia do Blogger